Estudo aponta os caminhos do hidrogênio verde no Nordeste

Considerado um dos combustíveis do futuro, o hidrogênio verde necessita de planejamento para que faça parte do mercado energético do Nordeste.

Fonte: Jornal A tarde

Considerado um dos combustíveis do futuro, o hidrogênio verde necessita de planejamento para que faça parte do mercado energético do Nordeste. É o que mostra um estudo realizado pela SAE4MOBILITY, Instituto de Ciência e Tecnologia da SAE BRASIL, a pedido do Plano Nordeste Potência, que desenha um cenário nacional de mobilidade sustentável para a região.

O relatório aponta o passo a passo para os nove estados ingressarem na cadeia produtiva desse gás extraído da água, três vezes mais potente que a gasolina e que não gera poluição quando consorciado a energias renováveis. O documento contextualiza o hidrogênio verde no panorama energético brasileiro e mundial e descreve o que governos e iniciativa privada precisam fazer para impulsionar o uso do H2V, como é chamado.

No estudo, a SAE4MOBILITY cita três desafios a serem superados: preço; distribuição e armazenamento; e transporte. “Cada um desses temas tem infinitas soluções, e no documento indicamos exemplos de como os governos estaduais e federal e a iniciativa privada podem ajudar a alavancar essa tecnologia e trazer benefícios para o Nordeste e para o país”, afirma o principal autor do estudo, Camilo Adas, presidente do conselho da SAE4MOBILITY.

O H2V tem no Nordeste um terreno propício para o seu desenvolvimento, uma vez que sua produção depende de fontes renováveis de energia. É que o hidrogênio só pode ser chamado de verde quando a eletricidade envolvida no processo de obtenção do gás tem emissão baixa de gases do efeito estufa. O hidrogênio marrom e o cinza, por exemplo, são produzidos a partir de combustíveis fósseis, e portanto emitem muitos gases estufa em sua produção.

Diferenciais

O relatório destaca que atualmente 84% da energia gerada no Nordeste é renovável. A fonte hidrelétrica gera 30.082 gigawatts ao ano (31%); a eólica, 48.706 (49%) gigawatts e a solar, 3.643 gigawatts (4%). Quando se leva em consideração o potencial de crescimento das renováveis, a região se destaca inclusive no cenário internacional.

Isso porque o Nordeste, além de agregar os elementos necessários para a produção, tem uma posição privilegiada para sua exportação. O hidrogênio verde é visto por outros países como um dos caminhos possíveis para cumprirem suas metas climáticas e abandonarem as fontes fósseis, como o carvão, na geração de energia, e a importação pode se tornar viável neste cenário.

Porém, além da exportação, o H2V no Nordeste pode servir de alavanca para o desenvolvimento industrial verde da região, estimulando a vinda de empresas multinacionais para solo brasileiro, e promovendo a mobilidade elétrica ainda incipiente no contexto nacional.

Estão em processo de criação no Brasil, alguns hubs de produção de hidrogênio, dois deles no Nordeste. O mais avançado, com contratos assinados, é o hub do porto do Pecém, no Ceará. Há também projetos no porto do Suape, em Pernambuco, no Rio Grande do Sul e em Minas Gerais.

O H2V está inserido no Plano Nordeste Potência, documento da sociedade civil que propõe caminhos de desenvolvimento verde e justo para a região, e que foi entregue a candidatos a governos estaduais. Ele indica a necessidade de se estabelecer um planejamento regional para otimizar a produção, o escoamento e a utilização da tecnologia, mas também alerta para riscos socioambientais associados.

Um dos pontos principais para promover o Nordeste como polo produtor mundial de hidrogênio verde é o fornecimento de energia renovável a um custo reduzido para a produção, o que pode estimular a instalação de torres eólicas no mar, chamadas offshore.

O Plano Nordeste Potência é resultado de uma coalizão de quatro organizações civis brasileiras: Centro Brasil no Clima (CBC), Fundo Casa Socioambiental, Grupo Ambientalista da Bahia (Gambá) e Instituto ClimaInfo, com apoio do Instituto Clima e Sociedade (iCS). O objetivo principal é garantir que a transição energética no Nordeste seja justa, inclusiva e contemple a revitalização da Bacia do Rio São Francisco.

Deixar uma resposta

PortugueseEnglish